Senado aprova projeto de lei para proteção de dados pessoais

O Senado aprovou nesta terça-feira (10) o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 53/2018, que será como uma versão brasileira do GDPR. Ele define como as empresas e o governo poderão coletar dados pessoais dos usuários, e como deverão protegê-los. Agora só falta a sanção do presidente Michel Temer.

O PLC 53/2018 estabelece que a coleta de dados deve ter o consentimento de seu dono, salvo exceções ? como cumprir ordem judicial ou garantir a segurança.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Você terá o direito de acessar e corrigir seus dados, além de saber o que a empresa (ou o governo) fará com eles. Caso suas informações precisem ser compartilhadas com terceiros, será necessário pedir sua autorização novamente.

As empresas e o governo terão 18 meses para se adaptar. Então, quem descumprir a lei receberá advertência ou multa de até 2% do faturamento, limitada a R$ 50 milhões. A aplicação das regras ficará a cargo da nova Autoridade Nacional de Proteção de Dados.

O PLC foi aprovado pela Câmara dos Deputados em maio, e seguia em regime de urgência no plenário do Senado. Ele foi rapidamente aprovado pela Comissão de Assuntos Econômicos, e nem passou pelo Conselho de Comunicação Social ? o grupo preferiu não votar o tema, porque isso exigiria um relatório a ser apresentado em agosto.

Segundo a Agência Brasil, o senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) disse que “mais de 100 países já colocaram de pé leis e diretrizes de proteção de dados no ambiente da internet. A internet não pode ser ambiente sem regras”. Para o senador Jorge Viana (PT-AC), “agora vamos ter marco regulatório que permite que cidadão possa acionar aqueles que fizerem mau uso de seus dados”.

Senado aprova projeto de lei para proteção de dados pessoais






Rua Minas Gerais 297, Sl 192 CEP 86010-905, Londrina-PR
Fone Comercial: (43) 3371-0110 | Fone do Ouvinte (43) 3371-0102